sábado, 14 de fevereiro de 2009

Continuando...

Continuemos a análise dos dados sobre o comércio externo do país em 2008 olhando para a sua discriminação por tipo de produtos.
Do gráfico abaixo percebe-se que o principal item quanto ao valor gasto na sua importação foi o "petróleo", designação genérica que abarca o conjunto dos produtos petrolíferos refinados importados. De facto, com 28,4% do total, ele fica bem à frente do "segundo classificado", os veículos (16,2% do total importado) e dos "cereais", de que o principal é o arroz (10,1%).
Repare-se que a soma dos valores dos dois primeiros items foi, só por si, de quase metade das importações (na verdade 44,6%), o que nos parece francamente excessivo mas justificado, em parte, pela subida significativa do preço do pretróleo durante o ano. De qualquer forma os números sugerem a necessidade de se pensar numa política energética e de importações de viaturas que faça descer esta (enorme) factura.

Os dois items seguintes em importância são as máquinas mecânicas e as eléctricas. Nestas últimas incluem-se muitos equipamentos de consumo (duradouro) --- máquinas para o lar, equipamentos de escritório, etc --- e isso deixa antever um esforço de equipamento "efectivamente produtivo" relativamente reduzido, o que não poderá deixar de ser considerado como preocupante numa perspectiva de desenvolvimento do país no médio-longo prazo. O que fica dito deve ser "qualified" já que, nomeadamente quanto aos equipamentos para escritório e para os vários hotéis/compounds entretanto abertos no país --- particularmente em Dili ---, parte deste material importado será, de facto, susceptível de ser considerado como produtivo.

Uma outra análise que se pode fazer dos valores da importação por produtos e do valor global das importações é o da sua ditribuição ao longo do tempo. É isso que é ilustrado no gráfico abaixo sobre a evolução mensal das importações.


Por ele se confirma que a subida significativa do valor do petróleo importado acompanhou, grosso modo, a evolução do preço internacional do crude e seus derivados, que subiram até Julho-Agosto, altura em que começaram a descer.
O gráfico permite também verificar a grande instabilidade das importações de "cereais" (leia-se: arroz). Infelizmente não dispomos de informação sobre a evolução dos preços médios da importação de arroz em cada mês de forma a poder compará-los com o preço do contrato de abastecimento assinado entre o Governo e duas empresas importadoras (900 USD/ton) e a evolução do preço do arroz no mercado internacional.
Essa informação é importate para determinar se o arroz importado ao abrigo do contrato referido terá sido, ou não, pago a um valor "justo" --- isto é, consentâneo com a evolução do preço no mercado internacional, em nítida queda desde meados do ano --- ou se, por ter sido assinado num momento em que os preços estavam no seu ponto mais alto, o Governo está a pagar mais do que pagaria se o arroz fosse comprado actualmente no mercado internacional a um preço próximo do deste mercado.

O gráfico permite também "visualizar" dois outros fenómenos:
a) o de que as importações mensais se mantiveram em valores relativamente estáveis nos primeiros meses do ano, tendo subido de valor de Junho em diante. Mais uma vez o preço do petróleo pode ser parte da justificação mas o referido comportamento tem de ter também outras justificações pois o preço do petróleo começou a descer mas o valor das importações foi aumentando, atingindo o record em Dezembro. Uma dessas outras explicações é a importação de veículos, cujo valor foi muito influenciado pela importação de viaturas para o Parlamento Nacional num processo de todos conhecido.
b) a importação de "veículos" terá sido, mesmo, a que teve uma subida mais consistente ao longo do ano. Acreditamos que a distribuição de dinheiro feita a vários grupos sociais em meados do ano e a redução significativa das taxas aduaneiras a partir de 1 de Juho de 2008 desempenharam um papel importante nesta evolução.

Isto faz-nos recordar o que dissemos --- e ouvimos outros, bem mais qualificados, dizer --- sobre a política de taxas alfandegárias (protecção aduaneira) então adoptada: ela corresponderá a uma liberalização das trocas externas "too much and too soon", que "ajuda" a economia nacional a, devido à disponibilidade de recursos para importar, quase "desistir" de produzir internamente alguns bens que, se houvesse alguma dose de protecção do mercado nacional, poderiam ser produzidos "dentro de portas" e ajudar a reduzir o problema do desemprego. Assim corre-se o risco de se instalar uma lógica de "para quê darmo-nos ao trabalho de produzir (mais caro?) cá dentro se podemos comprar (mais barato) lá fora e temos o dinheiro para o fazer?!...".
Esperemos para ver.

2 comentários:

h correia disse...

Absolutamente de acordo. Eu já tinha alertado para estas consequências nefastas a nível do setor produtivo nacional, noutro blog.

Por outro lado, como eu também já havia comentado, caem (literalmente) por terra os dois pressupostos que levaram à criação do "fundo de emergência": a "projeção" da subida dos preços do petróleo e do arroz...

Anónimo disse...

Sim, claro, meu caro H Correia: mas note que quando ele foi criado não se sabia que a evolução ia ser a que foi... Pelo contrário e em relação ao arroz as estimativas eram de que depois de uma descida do preço, não muito grande, este se iria manter aum nível bem mais elevado do que está hoje.
E note que ao dizer isto não estou a defender a criação do Fundo nem a concessão do subsídio ao arroz da forma sob a qual foi criado. Isso são outras histórias... Aqui estou apenas a constatar factos.

A. Serra