terça-feira, 1 de setembro de 2009

Financiamento do desenvolvimento, financiamento do Estado, empréstimos, dívida externa

Está em discussão na Comissão "C" do Parlamento Nacional --- a que analisa os assuntos económicos --- uma Proposta de Lei do Governo sobre Orçamento e Gestão Financeira [do Estado].
Convidado pelo Presidente da referida Comissão, o deputado Dr. Manuel Tilman, tive a ocasião de participar numa conferência organizada para debater vários aspectos da Proposta de Lei, tendo-me cabido falar, a título meramente individual e não em representação de mais ninguém para além de mim próprio, sobre vários mecanismos de financiamento do desenvolvimento do país e, em particular, de financiamento do Estado (e das suas despesas de desenvolvimento).

Um desses mecanismos, vedado legalmente até agora pela legislação em vigor e que data do tempo da UNTAET, é o recurso, pelo Estado, ao crédito, seja ele nacional ou internacional --- com a consequente criação de dívida interna, num caso, ou externa, noutro.

O acesso ao crédito interno pode ser feito, teorica e principalmente, de três formas: endividamento perante o Banco Central do país; idem mas em relação à banca comercial; e, muito importante em muitos casos, por recurso ao público em geral (incluindo a banca ou outros investidores) através da emissão de Títulos do Tesouro.

O recurso ao crédito pelo banco central está, hoje em dia, vedado na maioria dos países pois isso corresponderia a colocar "a impressora de notas a trabalhar", criando-se assim moeda que, quase inevitavelmente, iria provocar, por excesso de "oferta de moeda", subida dos preços (inflação) e perda de valor da moeda nacional (depreciação) --- quando há muitos ananazes o seu preço no mercado baixa... Sendo a moeda um "produto" como os ananazes, o seu "preço" face a outras moedas também tenderá a descer quando a sua quantidade em circulação aumenta --- isto é, a taxa de câmbio da moeda nacional (nos países que a têm) tenderá a depreciar-se.
Por isso o recurso ao crédito do banco central é hoje proibido segundo os estatutos da esmagadora maioria dos bancos centrais.

E o que dizer quanto ao financiamento junto da banca comercial nacional? No caso de Timor-Leste isso provocaria, quase inevitavelmente e porque os pedidos de financiamento do Estado tenderiam a ser volumosos, uma diminuição do dinheiro disponível para financiar o sector privado. O Estado "empurraria para fora" (crowd out) do sistema de crédito muitos investidores privados já que a banca nacional poderia não ter recursos suficientes para emprestar ao Estado (muito) e aos privados (um pouco a cada um).
O financiamento do Estado correria, assim, o risco de "secar" a fonte de desenvolvimento do sector privado, o crédito, tenendo este sector como que a "definhar" face a um Estado "glutão" e "absorvente" de muitos dos recursos financeiros disponíveis no país. O Estado "incharia" em parte à custa do "definhar" do sector privado". O que, como é óbvio, é de evitar a todo o custo.

Claro que o recurso ao endividamento directo junto dos particulares através da emissão de Títulos de Tesouro vendidos principalmente no mercado interno teria um efeito menor do que o anterior mas que, no limite, poderia fazer também alguma "mossa" na disponibilidade de recursos para o desenvolvimento do sector privado.

O Estado poderá, em alternativa a estas fontes de financiamento, recorrer à colocação de empréstimos representados por Títulos do Tesouro no mercado internacional --- adiminto que seria realista fazê-lo nas circunstâncias de Timor Leste ---, ou contrair empréstimos que poderiam ser ou do tipo meramente comercial ou, como acontece em tantos outros países pobres e em desenvolvimento, "empréstimos concessionais".

Estes caracterizam-se essencialmente por serem empréstimos contraídos junto de organizações financeiras internacionais --- ex: Banco Mundial, Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB) --- ou de alguns Fundos existentes --- caso, por exemplo, do conhecido Fundo do Kuwait.
Estas organizações, por não terem como objectivo principal o lucro e a sua maximização, podem conceder empréstimos com condições muito favoráveis. O Banco Mundial, por exemplo, cobra apenas 0,75% de taxa de juro. Um empréstimo recente do ADB ao Kazaquistão prevê uma amortização em 35 anos com um "período de carência" --- isto é, um período em que só se pagam juros e não se amortiza capital --- de 10 anos.
Suponha-se, por exemplo, que um país pretende aumentar a capacidade do seu aeroporto porque quer apostar no desenvolvimento do sector do turismo. Um "empréstimo concessional" do tipo referido permite-lhe fazer as obras e só quando se começar a verificar efectivamente um aumento do movimento de aviões e passageiros é que, com as receitas das várias taxas cobradas, irá começar a amortizar o empréstimo contraído (até aí pagou apenas os juros, uma importância muito mais reduzida e "suportável" pelo Orçamento sem grande esforço).

Claro que contrair um empréstimo, mesmo que seja "concessional", é assumir um encargo que tem de ser cumprido e por isso é ESSENCIAL que o dinheiro do empréstimo seja bem aplicado.
Note-se que desse empréstimo fará parte uma verba, por vezes não pequena, para pagar assistência técnica ligada à implementação do projecto que o empréstimo irá financiar. Essa ajuda pode ser essencial, também ela, para garantir que os recursos são bem utilizados, sem desperdícios de maior --- sejam eles de natureza legal ou ilegal (não sei se me faço entender...).

Não há, no entanto, que ter medo de criar dívida externa DESDE QUE SEJA ASSEGURADA A EFICÁCIA DOS INVESTIMENTOS A FINANCIAR POR ELA. Quantos de nós não tem dívidas perante um banco ou um particular pois essa foi a única maneira de construirmos a nossa própria casa ou iniciarmos o negócio em que nos lançámos?!...

Pessoalmente creio mesmo que Timor Leste já poderia, há alguns anos, ter contraído alguns empréstimos deste tipo (para reconstruir estradas, usar apropriadamente as suas fontes de energia, financiar projectos de desenvolvimento rural, etc) . Mas também compreendo que, face às dificuldades de execução do Orçamento e, em particular, da componente de "capital de desenvolvimento", os governos tenham tido receio de contrair empréstimos que iriam "apenas" engrossar a lista de projectos não executados --- mas que teriam de ser pagos.

Finalmente, uma nota suplementar sobre as relações desta questão com o Fundo Petrolífero.
O problema do financiamento do Estado tem de ser visto no seu conjunto e não separadamente, segundo as diversas fontes possíveis de financiamento. Por exemplo, pode perfeitamente chegar-se à conclusão de que é económica e financeiramente mais racional pedir empréstimos "concessionais" em que se paga 1% de encargos do que "perder" 3% de retorno nos investimentos do Fundo Petrolífero. Isto quer dizer também que pode ser mais racional criar alguma (e em volume sob controlo) dívida externa do tipo da referida do que aumentar o limite de recursos a extrair anualmente do Fundo Petrolífero.
Repare-se que não estou a a dizer que É forçosamente assim; estou apenas a alertar para a necessidade de o processo do financiamento do Estado --- e particularmente das suas despesas em desenvolvimento --- serem vistas no seu conjunto e face a estragégias alternativas ou complementares de financiamento. E, já agora, que se tenha em consideração que o dinheiro dos empréstimos está "associado" à realização de um projecto concreto de desenvolvimento e não ao financimento "genérico" do OGE (como é o caso dos recursos transferidos do FP) e, por isso, susceptíveis de serem aplicados com menor eficácia.

5 comentários:

M.M.V INVESTMENT disse...

Caro atenção

Você está cansado de procurar empréstimos e hipotecas? Você tem sido constantemente rejeitado por seus bancos e outras instituições financeiras? E-mail: m.m.v.investment@gmail.com OU mrsvandamariana@yahoo.co.uk, Você precisa de um empréstimo de negócio para começar um novo ano? Você não tem que preocupar-se não mais, porque A boa notícia é aqui! Oferecemos empréstimos que variam de 3.000,00 Euros Min. para Max 3000,000.00 Euros com uma taxa de juros de 3% ao mês. Aqui está o nosso E-mail: m.m.v.investment@gmail.com OU mrsvandamariana@yahoo.co.uk

Somos certificados, confiável, confiável, eficiente, rápido e dinâmico. Contacte-nos hoje .. As respostas devem ser enviadas para Nome de Contato: SRA, VANDA MARIANA. E-mail : m.m.v.investment@gmail.com OU mrsvandamariana@yahoo.co.uk

Sinceramente.
Sra. Vanda Mariana.
Departamento de Empréstimos.
Serviços M.M.V Empréstimo Limited.
E-mail: m.m.v.investment@gmail.com
E-mail: mrsvandamariana@yahoo.co.uk

Josue disse...

oi a todos um cidadão se o Portugal eu vim aqui no site para testemunhar as coisas boas que tenho recebido de Deus por meio da empresa chamada Stella Rene onde i aplicado para um empréstimo urgente para pagar minha dívida, mas eu agradeço a Deus hoje que eu recebo bem sucedida sobre este empréstimo hoje, porque eu nunca foram enganados eu queria para obter um empréstimo na internet, mas um amigo meu disse-me há algumas fraudes na internet, porque eu nunca pediu um empréstimo antes, mas quando eu chegar ao local eu vi um post na próxima, então eu segui o link e obter o e-mail i responder ao e-mail, mas para minha sorte eu receber uma resposta do MD, CEO da empresa de Stella Rene onde eu aplicar para o meu empréstimo e ápice todos os dados necessários de mim antes 18.00 meu tempo país que eu recebi o meu empréstimo em minha conta bancária hoje e eu vim aqui no mesmo local onde i foi encorajado a obter um empréstimo para testemunhar também porque eu apenas receber o meu empréstimo de 80,000,00eur eu digo graças a Stella Rene Firm Empréstimo pela confiança e honesto e-mail aqui com eles {mrsstellareneloanfirm1@hotmail.com} Estou muito grato e feliz por Stella Rene i dizer obrigado.

Josue

Cristina Santos disse...

Bom dia a todos, desde o meu país meu nome é Cristina Santos de Portugal eu vim aqui no blog para fazer referência a uma empresa que é legítimo e livre de fraudes, e da empresa onde eu descontou meu empréstimo de 35,000,00euro ontem e eu vim aqui neste momento para testily a todos que está na necessidade de empréstimo que ainda há uma empresa que você pode sempre confiar e contar porque no meu caso eu encontrei a empresa chamada empresa de empréstimo Stella Rene que foi a empresa onde eu embolsou o empréstimo ontem por isso, se conectar com esta empresa no caso de você estiver na necessidade de empréstimo urgente hoje, porque você vai sempre obter um empréstimo aqui e-mail abaixo {mrsstellareneloanfirm1@hotmail.com} para obter mais informações hoje.

Cristina Santos

Mirko Ricci disse...

SOLUÇÃO PARA SUAS NECESSIDADES FINANCEIRAS OU de todo o SEU EMPRÉSTIMO desenvolveu e-mail: Simonasanmartino0@gmail.com

Na actual situação económica do nosso país.
Hoje, para aqueles que já são empreendedores, a situação é difícil.
Então, quando você pensa sobre isso, decidimos ajudar a todas as pessoas que têm projetos onde eles querem um empréstimo para a realização de suas atividades.
Mas a nossa taxa de juros é de 2%, como sendo uma coligação, não quero violar a lei sobre o desgaste.
Deseja contactar-nos para esta cobertura:
Simonasanmartino0@gmail.com

Mr Derek Douglas disse...

Olá

Você é um homem de negócios ou mulher?
Você precisa de dinheiro para iniciar seu próprio negócio?
Você precisa de um empréstimo para pagar sua dívida ou
Contas ou iniciar um bom negócio?
Você precisa de dinheiro para financiar seu projeto?

E-mail de contato: easyloanfirm2020@gmail.com

Estou esperando seu e-mail.
Com respeito,
Мr Derek Douglas
easyloanfirm2020@gmail.com